APROBIO e Frente Parlamentar pedem apoio de Graça Foster ao biodiesel


Graça Foster A diretoria da APROBIO participou na tarde de ontem (16/1) da reunião de representantes da Frente Parlamentar do Biodiesel com a presidente da Petrobras, Graça Foster, juntamente com outras entidades do setor. Ela disse que vai verificar na Casa Civil os encaminhamentos do governo sobre o futuro do biocombustível no país.

O deputado Jerônimo Goërgen e o senador Valdir Raupp, presidente e vice presidente da Frente, respectivamente, relataram a Graça Foster a apreensão do setor com a indefinição sobre o marco regulatório que confira mais segurança jurídica e regulatória para assegurar novos investimentos na produção do biocombustível.

Segundo os parlamentares, depois de inúmeras reuniões, técnicas e políticas, não há uma sinalização clara por parte do governo sobre quando e mesmo se enviará ao Congresso Nacional a proposta de nova legislação.

A presidente da Petrobras afirmou que não pode falar pelo governo, que não faz parte do núcleo de decisões sobre a política energética nacional, mas que tem responsabilidade pelo Plano Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, criado em 2005 pelo governo federal.

Ela não deixou de salientar o papel importante que a subsidiária da Petrobras fabricante biodiesel, a Petrobras Biocombustíveis, tem no organograma do complexo Petrobras. O presidente da subsidiária, Miguel Rosseto, participou do encontro. A empresa bateu sucessivos recordes de produção nos últimos meses do ano passado.

O presidente da APROBIO e diretor presidente da BSBIOS, Erasmo Battistella entregou à presidente da Petrobras uma carta da entidade relatando este cenário, no qual a indústria espera há quase dois anos pelo envio da nova legislação ao Congresso Nacional. No documento, a Associação pede o apoio de Graça Foster, como produtora de biodiesel que é.

Segundo integrantes do comitê técnico interministerial, formado para estudar o assunto, desde maio de 2012 está pronta uma minuta de proposta para expansão do mercado do biodiesel no país.

Battistella passou às mãos de Graça Foster também a íntegra do estudo "Impactos Socioeconômicos da Produção de Biodiesel no Brasil", feito pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe/USP), por encomenda da APROBIO. O estudo mostra que a inflação provocada pela adição de biodiesel no diesel mineral, hoje na proporção de 5% por litro, foi de 0,0435 pontos percentuais, de 2008 a 2011, quando comparado com o diesel nacional, e de 0,0420% na comparação com o derivado de petróleo importado.